segunda-feira, 7 de abril de 2008

A Bola do Jogo

Esperava por isso a semana inteira
Com um olhar perdido, calçava as meias
Como se pensasse em tudo ao mesmo tempo
Sem respostas,
continuava o ritual
Bolsa, toalhas e chaves
Tudo ali, pronto

A chuva, as luzes
O trânsito
O trabalho difícil
O pensamento longe

O verde
os abraços
e a bola
Que veio em sua direção
como um cão a lhe recepcionar,
a esperar pelo afago
Com carinho a sentiu
e chutou pra longe
pra saber até onde ia
até onde podia

E ela rolou, entre homens diferentes
à espera de algum rumo
de alguém que lhe quisesse
mas que quisesse chutar pra longe

Entre chutes, gritos, erros
O que se sentia
Era a alegria de esquecer
Já não havia dor
Quando a bola chegou aos seus pés
E ele decidiu que era hora
E partiu, correndo
Como um faminto atrás de um prato
Veio a trombada, o drible, a pegada
Pelo momento, o mais difícil de seus problemas
Não mais importava, nem sua vida
Nem sua história,
Eram todos iguais agora
Tentando esquecer,
continuar

Não havia mais nada
Quando parou e o goleiro caiu
Chutou
como uma injeção de vida
que entra na veia
Como um remédio
que cura qualquer mal

E em seu peito,
Por um instante, a paz
Não havia mais nada
Só o desabafo
E o grito de gol

O coração suado
Com forças pra agüentar
Até a próxima semana

3 comentários:

Milena Marília disse...

e cada semana fazer o coração bater. respirar. abrir os olhos...e chaves, bolsa, toalha!

Boa semana victor!

marília disse...

é... "e a carne é fraca, e o corpo uma ilha a procura do sol, a noite vem vindo, e amanhã tudo de novo"...
Semana boa pra ti!
abraço

Mara disse...

"...é tudo novo...de novo!"
...Boa semana menino!!